quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Quem tem medo do lobo mau


Dúvidas sobre a história e seu estudo.
ou - Quem tem medo do lobo mau
Em algum momento do curso de história é bem comum e mais que isso, importante, que o futuro profissional em história questione-se e reflita sobre o labor que implica sua graduação. Por profissional de história compreenda-se tanto o pesquisador, historiador, quanto o docente do conteúdo de história dos colégios. Equiparados em importância na função de fomentar e propiciar a reflexão é fundamental ao bom profissional conhecer, ou ao menos questionar as minúcias e peculiaridades da área das ciências sociais que se distingue por HISTÓRIA.
Não se trata aqui de exigir um aprofundamento demais teórico sobre a formação das ciências sociais ou história do pensamento, ao que questionamentos que inicialmente podem parecer bastante corriqueiros ou pouco requintados filosoficamente revelam em seu detalhe profundidade abismal. Perguntas inicialmente simples do tipo, Que é história? Para que serve a história? ou Como se escreve a história? Revelaram uma reflexão tão plural quanto o numero de questões. Haja vista que tais questionamentos acima citados serviram como títulos das obras de importantes historiadores sobre este tipo de reflexão, dos quais na mesma ordem: Edward Ale Caber, Marca Bloch (cuja obra pode ser também encontrada sobre o título Introdução à história) e Paul Verne. (Confira bibliográfica no final do artigo)
Poder-se ia começar este exercício crítico questionando: O que faz o estudioso de história? Sendo comum para este reputas como: o historiador estuda o passado ou que estuda os homens e o tempo. Esta Segunda resposta apesar de mais acurada não esconde o desaviso e a superficialidade que pode ocorrer nos leigos à área, mas cresse inaceitável ao profissional que almeja conhecer bem seu labor. Logicamente não se tratam aqui de respostas gerais, aquelas que abrangem tudo e nada explicam, mas sim, pergunta simples e resposta objetiva. Esta resposta perde-se na proposição mais filosófica do saber historiográfico. De fato estuda-se o homem e o tempo na história, mas objetivamente no dia a dia do historiador seu trabalho é geralmente debruçar-se sobre um conjunto documental para dele refletir sobre a sociedade de determinada época. Assim tem-se uma resposta parcial: O estudioso de história estuda documentos históricos e historiográficos.
Sobre esses tais documentos, duas proposições que podem parecer demais óbvias podem ajudar a discutir a primeira resposta, a de que o historiador estuda o passado. Uma delas diz respeito ao que se compreende por documento histórico. Pensando-se materialmente o que se denomina “documentos” são objetos que não existem ou foram criados inicialmente para este fim, esta denominação é uma apropriação e incorporação de um novo sentido atribuído pelo pesquisador, que junto à sua metodologia de análise torna tais objetos mediáveis à pesquisa. Guy Bourdé em Escolas Históricas (1983) discutir as escolas historiográficas aponta em cada uma delas as diferentes compreensões do que seria o documento histórico. A síntese a seguir é pretende somente ilustrar os contrastes como exemplo, não se concentra em questões mais específicas ou ideológicas sobre as correntes historiográficas citadas: Para a chamada escola metódica ou positivista, meados do século XIX, é documentação competente toda documentação oficial (atas, cartas, documentos de cartórios e de governantes) e arqueológica (monumentos, relíquias). Com o materialismo histórico dialético, ortodoxo, voltado a observar o desnível entre as relações de produção, capitalista e operariado, são documentos as estatísticas sociais e econômicas, regras de marcado, balanças comerciais. Com a historiografia francesa de meados do século XX, representada nos annales, posteriormente na nova história e suas partes, o conceito de documento se amplia assim como o de objeto, incluindo a pluralidade de interesses que a história pudesse suscitar, estuda-se assim a psique, as lendas, as vestimentas, a cultura.
A outra proposição deriva-se desta, posto que tais objetos reinterpretados em fontes, encontra-se numa dimensão da vida do homem denominada “presente”. Desta feita o historiador é aquele profissional que estuda no presente, objetos do presente. Questionar-se-ia então qual é a relação do historiador com o passado. Para a tristeza dos românticos viajantes do tempo fica difícil conceber que o historiador vá buscar o passado, é sim plausível pensar na preterização semântica do presente voltada à construção de um discurso simulado de presentificação do passado.

Desenvolvendo-se um pouco mais a reflexão retornar-se-á questão inicial, não no sentido anteriormente tomado referente à ação do historiador, mas agora sobre o produto desta ação, expresso no seguinte enunciado: O que o historiador faz?
Para tal pergunta é comum ouvir, e talvez o leitor esteja pensando, coisas como: a história, o retrato do passado, ou que o historiador é aquele que conta como foi o passado. Concordando com Certeau (Escritas da história –1989) o historiador produz um discurso, um texto historiográfico e logo que situado num contexto este é por sua vez histórico. Assim sendo não retrata o passado, mas uma compreensão possível no presente para corresponder às demandas e possibilidades de conhecimento da sociedade do presente. Observar que a historiografia não retrata o passado, considerar as subjetividades, ou melhor, a pluralidade de entendimentos possíveis no presente é tombar silenciosamente o paradigma da história verdade. Neste aspecto, o poeta Afonso Romano de Santa`anna em seu poema Posteridade é bastante eloquente na projeção de como os estudiosos das futuras gerações compreenderão esta. Trecho a seguir:
Assim entraremos para história deles
Como outros para a nossa entraram:
Não como o que somos
Mas como reflexão de uma reflexão.
(SANTA`ANNA –1997, p.68).
Não se conhece o nosso labor sem por-se em xeque posicionamentos e a própria situação de história em quanto ciência. O que concerne aqui é ariscar responder um pouco das questões suscitadas, e o que é pior, se comprometer com as muito poucas certezas. Quanto a isso cabem do ainda dois destaques. O primeiro aos futuros professores, o de que não é necessário despejar toda a disconstrução da história nos alunos de colégio. Esta reflexão tem por objetivo auxiliar a inclusão e consideração das diversidades na escolha e preparo do conteúdo de aula. O segundo aos o futuros pesquisadores, que podem ter a impressão de que o chão foge aos pés quando o labor historiográfico não se liga mais a nobres paradigmas de civilização, ou conscientização das massas proletariado para um determinado “verdadeiro” papel na transformação da sociedade humana. O fato é que o que se vislumbra é pluralidade, que ao invés de diluir as possibilidades de entendimento, as retira de patamares intangíveis quase etéreos das verdades, do domínio das verdades e de simulacros de neutralidade e os lança a mão do homem. O historiador está sempre comprometido com seu tempo e discurso. E durma-se com todo este barulho.

BOURDÉ, Guy. MARTIM, Hervé. As Escolas Históricas. Portugal: Euro Americana, 1983.

BLOCH, Marc. Introdução a la História. México: Fondo de Cultura Económica, 1987. (Breviarios n.º64.)

CARR, E.H. Que é História?. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1982.

CERTEAU, Michel de Escritas da História. Rio de janeiro: Forense Universitária, 1982.

SANT`ANNA, A. R. Epitáfio para o Século X, e outros poemas. Rio de janeiro: Ediouro, 1997.

VEYNE, Paul. Como se Escribe la História; ensayo de epistemologia. Espanha: Fragua, 1971. 
 
* Mestre em História Cultural pela UNESP- Campus de Franca- SP.  Professor de História da Rede Municipal de Taubaté e Professor de Educação Ambiental História e Geografia da ESC/Esefic - Cruzeiro

domingo, 5 de janeiro de 2014

Boas Festas

domingo, 5 de maio de 2013

Vem ai nosso primeiro livro..."Livro Último"...últimos anos de poesia....


Em breve, lançamento!!!

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Brinde de ano novo!!! Vale poesia.

a palavra mata quando cria,
fecunda, fonte de filosofia.
A palavra fria, rima, inventa, cria,
mata e oculta,
fica escondida naquilo que não é;
a coisa dita...
A palavra dita...
...
Igual Pessoa, eu quero a fonte
sem nome de fonte,
não essa que sem entende.
Eu quero aquela...
que jorra a água
que não chama água
e que não chama coisa nenhuma,
mas a palavra evoca,
e onde que eu olho
esta ela, entranhada,
inventando as coisas nas coisa,
criada por coisas com nome de gente...
...
Quando eu era jovem eu procurei a palavra verdadeira,
a palavra primeira, mas,
hoje me encontro sem palavras
e arranjo estas,
que espalho no papel,
na tela,
como num varal,
esperando quarar uma ideia no tempo,
na mente de outro "alguém" - palavra -
como se fosse minha,
impressão digital.
(A Palavra - Parte da obra “Poema” no prelo, lançamento 2013)

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Moral, valores e aqueles bons costumes....

Curiosamente já ouvimos falar que esse é um país (será que é??? será?) onde "a lei pega ou não pega". Temos adorado, depois dos valores humanos pós-ditadura, década de 80, o aumento da repressão em lei...redução da maior idade penal, o lei seca no transito...não é ruim...mas o que nos assusta, cômico trágico, é que nunca mais se ouviu falar em educação para melhorar a sociedade...nossos currículos escolares são escassos de significado, conteúdo árido e proselitista, vago, vazio (Brasil, rimou!!!) no objetivo de formar cidadãos, pessoas, gente resolvida e feliz, ou sabe-se lá o que...mas tem gente na escola e números em qualquer lugar...Queremos que as leis peguem? EDUCAÇÃO...daquela que ensina  como viver em grupo, não digo nem sociedade, grupo; fazer fila...entra e sair do ônibus e do cinema cada um na sua vez, cortesia no transito; isso por ser o "certo" a se fazer? não...fazer assim por que é mais inteligente, econômico, pratico e rápido....Ora bola, vamos aos malditos pandas novamente; meio ambiente esse é o tema; se queremos melhorar o meio ambiente ecológico temos que consumir menos (xi papo ruim)...
 

É importante nesse ano que se inicia querer ser melhor, menos egoísta, menos burro...é importante querer bem os outro, não porque o contrario é pecado, mas sim, porque assim é mais econômico, fácil e prático....

Melhorar o planeta, o país e a política, no dos outros sempre é mais fácil...

Vai ai um momento religioso....para 2013 coloco essa oração...essa deveria ser impressa em milheiro de santinhos e colocada em todos os lugares igual o santo dos impossíveis....quem sabe ai....
deixa pra lá!!!!

Que ____ seja feliz.
Que ____ não sofra.
Que ____ encontre as verdadeiras causas da felicidade.
Que ____ supere as causas do sofrimento.
Que ____ supere toda ignorância, sentimento negativo e negatividades.
Que ____ tenha lucidez.
Que ____ tenha a capacidade de trazer benefício aos seres.
Que ____ encontre nisso a sua felicidade.

(O traço ___ é o local onde você coloca o nome de alguém)
vamos rir e arreganhar bem os dentes!!!!